Edição especial do periódico R&D Management: Open R&D and Open Innovation.

Estudiosos e praticantes da inovação aberta podem encontrar nesta edição especial do R&D Management ,de setembro deste ano, diversas abordagens metodológicas e temáticas da open innovation que podem auxiliá-los na compreensão de onde e quando aplicar modelos abertos para agregar valor aos processos de P,D&I e de como extrair o maior proveito deles.

Os editores convidados (Ellen Enkel, Oliver Gassmann e Henry Chesbrough) abrem a edição com um artigo que comenta a importância de as empresas terem uma abordagem equilibrada da inovação aberta e fechada. O artigo traz resultados de um estudo realizado em 2008 junto a 107 empresas da Europa sobre os riscos e dificuldades da inovação aberta.

Além disso, Ellen, Gassmann e Chesbrough fazem uma pequena revisão bibliográfica dos tipos de processos que podem ser identificados na inovação aberta: processos outside-in (integração de fornecedores, clientes, instituições de pesquisa, competidores etc. para enriquecer a base de conhecimento da empresa), processos inside-out (externalização de conhecimento da empresa via licenciamentos, joint venturesspin-offs etc. para diminuir o time-to-market) e processos coupled (alianças, cooperação e joint ventures para co-desenvolvimento e comercialização da inovação). Os autores comentam que, na literatura, os processos coupled são os mais estudados e os inside-out, os menos pesquisados.

Nove artigos sobre inovação aberta

De acordo com os editores, os autores dos artigos estão entre os mais ativos estudiosos nesse campo. Chama a atenção sua filiação geográfica: treze autores de instituições da Alemanha, um da Suíça, um do Reino e o próprio Chesbrough dos Estados Unidos.

O primeiro artigo (Outbound open innovation and its effect on firm performance: examining environmental influences) traz contribuições ao pouco tratado tema dos processos inside-out e sua relação com o desempenho da empresa, baseadas num estudo com 136 empresas industriais.

A amplitude e profundidade das atividades de inovação aberta é o tema de Determinants and archetype users of open innovation, que propõe uma tipologia de classificação de empresas.

A questão das comunidades é abordada diretamente em dois artigos. Community engineering for innovations: the ideas competition as a method to nurture a virtual community for innovationspropõe um framework para superar o desafio de extrair valor de ações de crowdsourcing usando competições em uma comunidade virtual real de 60.000 pessoas. Já em Innovation communities: the role of networks of promotors in Open Innovation, o autor explora o papel do promoter em comunidades de inovação, por meio de três estudos de caso.

A integração dos agentes internos e os externos é o foco de Integrating inside and outside innovators: a sociotechnical systems perspective. As autoras analisam em 15 médias empresas os tipos de agentes inovadores e as práticas usadas na integração.

Em Opening up for competitive advantage – How Deutsche Telekom creates an open innovation ecosystem, os autores estudam o caso da Deutsche Telekom, identificando 11 iniciativas de inovação aberta e detalhando sua contribuição.

Outros assuntos abordados nesta edição: a comparação de dois projetos não comerciais, a Wikipedia e o desenvolvimento do carro Oscar, com os princípios do open source software (Is open source software living up to its promisesInsights for open innovation management from two open source software-inspired projects), as parcerias entre corporações e organizações sem fins comerciais (Exploring open innovation practice in firm-nonprofit engagements: a corporate social responsibility perspective) e a análise da implementação do chamado open design (On the open design of tangible goods).

Open innovation como tema de pesquisa

Não parece exagerado afirmar que a inovação aberta está estabelecida como tema de pesquisa. Nesse sentido parece raciocinar o professor Joel West (co-editor do livro Open Innovation: Researching a New Paradigm junto a Henry Chesbrough e Wim Vanhaverbeke) ao destacar em seu blog que já há uma quantidade de pesquisadores produzindo pesquisa em inovação aberta com uma qualidade boa o suficiente para um periódico bom como o R&D Management.

Além dos 10 artigos (incluindo o editorial) de setembro de 2009, a chamada da R&D Management renderá uma segunda parte da edição especial. Com mais artigos, estará disponível online a partir de dezembro deste ano, anunciam seus editores, que também declaram que a seleção foi rigorosa e que o volume de submissões foi grande.

Este ano de 2009, aliás, foi próspero em chamadas de artigos para edições especiais sobre open innovation, como por exemplo:

International Journal of Innovation Management (IJIM).
Special Issue on Open Innovation and the Integration of Suppliers. http://www.worldscinet.com/ijim/mkt/callforpapers_details.shtml#Integration

International Journal of Innovation and Sustainable Development (IJISD).
Special Issue on Open Innovation, Closed Societies. http://www.inderscience.com/browse/callpaper.php?callID=1227

Technology Analysis and Strategic Management (TASM). Special Issue on Managing open innovation in current and emerging intermediaries in the technology transfer process.
http://www.tandf.co.uk/journals/cfp/ctascfp.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *