Portal de open innovation da Agência USP de Inovação

Cerca de um mês depois de seu lançamento, o Portal i3 Open Innovation começa a gerar resultados. “Já promovemos vários encontros presenciais entre representantes das empresas proponentes e nossos pesquisadores, e os projetos já se encontram em fase de desenvolvimento”, afirma Oswaldo Massambani, coordenador do NIT (núcleo de inovação tecnológica) da USP, que foi criado em 2005.

O portal, desenvolvido em parceria com a Fiesp e o Ciesp, é uma ferramenta para intermediar o processo de interação entre empresas e universidades na solução de problemas tecnológicos da indústria. A ferramenta tem semelhanças com um portal de seekers (as empresas que têm demandas tecnológicas) e solvers (os especialistas que oferecem a solução), mas mantém as informações em sigilo. A análise do projeto, a busca do parceiro tecnológico e a gestão da parceria ficam sob controle da equipe do NIT, que conta com 26 profissionais nas áreas de empreendedorismo, inovação, propriedade intelectual, transferência de tecnologia, jurídica, projetos especiais e apoio, distribuídos nos quatro pólos da agência.

A iniciativa de inovação aberta ligada ao Portal i3 funciona da seguinte maneira. A empresa seekeracessa o portal e posta um projeto, geralmente, de co-desenvolvimento de um produto, processo ou serviço. A equipe da Agência USP de Inovação, usando seu sistema de informações institucionais e sua rede de relacionamentos, identifica as competências mais apropriadas para a parceria e agenda reuniões presenciais entre os parceiros potenciais. A participação no portal é restrita a empresas associadas a alguma das entidades participantes: ABINEE, ABIMAQ, ABIHPEC e ABIT.

“Nosso Portal i3 é uma concreta demonstração da ação pró-ativa da Agência USP de Inovação em prol da promoção da Inovação Aberta no Brasil”, diz o coordenador do NIT, que é professor titular do IAG/USP.

Outras iniciativas

A articulação de competências para aumentar a competitividade empresarial é, de acordo com Massambani, uma importante função da agência, que ele define como university/industry liaison and technology transfer office. “ Nossos objetivos consistem em identificar, apoiar, promover, estimular e implementar parcerias com o setor empresarial, governamental e não governamental na busca de resultados para a sociedade”, declara.

O professor divide a atuação da agência em duas grandes linhas: promoção da inovação guiada pela ciência e promoção da inovação guiada pelo mercado. No primeiro grupo, o NIT identifica, registra e oferece as tecnologias geradas pelos pesquisadores da USP por meio de seu portifólio de patentese de road-shows tecnológicos setoriais, resultando em licenciamentos para empresas brasileiras e globais.

Também na linha da inovação guiada pela ciência, Massambani cita ações como as Maratonas de Empreendedorismo, a Olimpíada USP de Inovações (que, em sua primeira edição de 2008 contou com mais de 400 idéias de produtos apresentadas pela comunidade da USP) e a Rede USP de Incubadoras associadas, onde empresas nascidas de inovação guiada pela ciência encontram condições apropriadas para o desenvolvimento de seus planos de negócio e suporte para seu processo de maturação e inserção no mercado.

Na linha de inovações guiadas pelo mercado, a agência da USP trabalha nas parcerias com empresas que querem desenvolver projetos com a universidade. “Temos uma plêiade de exemplos com a Petrobras, Embraer, Embrapa e com muitas empresas oriundas de todos os setores da economia”, diz Massambani. O coordenador do NIT cita como fontes de financiamento desses projetos as próprias empresas e recursos públicos locais, estaduais, federais e internacionais.

No contexto das parcerias com empresas, o professor Massambani destaca que a USP autoriza seus pesquisadores a dedicarem tempo a consultorias técnicas para atender demandas de conhecimento das empresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *