3 em 1: Qual o sentido de fazer open innovation para a indústria farmacêutica brasileira?

 Roberto Debom
Diretor de P,D&I
Cristália

“Acredito que o motivo principal de investir em inovação aberta é a busca de parceria para desenvolvimento de produtos inovadores e principalmente de colaboradores que possuem esses talentos. Dessa forma, acreditamos que o open innovation é o berço da inovação para países emergentes, dando sustentabilidade para a empresa no mercado e sustentabilidade para o próprio mercado”.

 José Martins
Diretor Técnico Científico
Instituto Vita Nova

“A inovação aberta é uma das únicas opções em médio prazo para incorporação de novas tecnologias, novos produtos e manutenção da competitividade dentro desse setor altamente demandante de tecnologias. O aumento dos investimentos pelas grandes empresas multinacionais, de forma exponencial, resultou num portfólio reduzido de produtos novos no mercado mundial, forçando empresas a seguir dois caminhos. Primeiro, investir em novas unidades produtoras de medicamentos genéricos ao redor do mundo e no Brasil; segundo, repensar a forma de gerir os recursos destinados a pesquisa, desenvolvimento e inovação. O primeiro caminho oferece baixo retorno dos investimentos, talvez suficientes para a manutenção do negócio em curto prazo; o segundo, obrigatoriamente, passa pelo processo de inovação aberta, sem o qual as empresas perdem competitividade e capacidade de renovar seus portfólios com produtos de maior valor agregado. Para as empresas brasileiras, o cenário observado mundialmente se repete, com o agravante da falta de estrutura e conhecimento necessários em diversas etapas do desenvolvimento de um novo medicamento”.

 Marcio Falci 
Diretor de P,D&I
Biolab

“Investir em open innovation significa compartilhar o desenvolvimento científico com terceiros em diferentes áreas: com universidade, fornecedores e empresas estrangeiras. Se não estabelecemos esse tipo de parceria, algumas inovações não são possíveis devido a custos, pois nem sempre é possível implantar maquinário e tecnologia adequada, por exemplo, para o desenvolvimento de determinados produtos. O mercado exige respostas rápidas para suas demandas e a adaptação da indústria ocorre aos poucos. A inovação aberta é um meio de potencializar a capacidade de criação de novos produtos reduzindo custos e partilhando riscos. Isso significa que, se o produto der certo, ambos os parceiros são beneficiados, e, em caso de insucesso, o impacto financeiro é menor”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *