“Inovação aberta é caminho sem volta”


Stefan Lidergaard

Em entrevista para o boletim do OIC, o consultor e blogueiro Stefan Lindegaard fala sobre diversos tópicos relacionados à inovação aberta

Stefan Lindegaard é consultor estratégico dinamarquês com foco em inovação, ferramentas de mídia social e empreendedorismo. Autor de dois livros sobre open innovation, ele se tornou conhecido pelo blog 15 Inno – espaço em que posta estudos de caso, artigos e insights sobre inovação aberta. Em visita ao Brasil, Lindegaard falou com a redação do boletim Inovação Aberta. Para ele, a inovação aberta é um caminho sem volta nas empresas.

OIC: Quais são os principais desafios e oportunidades que o modelo de inovação aberta traz para as empresas?

Há cinco anos que trabalho com inovação aberta e hoje vejo que é um caminho sem volta. Tanto as pequenas quantos as grandes empresas podem se beneficiar. Um dos principais benefícios é que se torna possível um desenvolvimento mais rápido e o lançamento no mercado de novos produtos e serviços. Além disso, a diversidade que a inovação aberta traz resulta na descoberta de mais oportunidades e na melhoria da taxa de sucesso. À medida que as empresas adotam a inovação aberta, percebem que o processo pode ser muito gratificante, mas também desafiador. E esse desafio se fundamenta em três questões. A primeira é o que fazer para abrir a inovação em seu modelo de negócios e como isso altera seu cenário competitivo, já que você pode acabar trabalhando até mesmo com o concorrente. A segunda é como sua organização muda para acompanhar a inovação aberta: de que tipo de colaborações você está disposto a participar e qual a visão comum e missão que você vai compartilhar com seus parceiros? Sistemas, processos, valores e cultura em toda a empresa terão que ser transformados; pessoas que passaram suas carreiras focando internamente deverão agora concentrar-se externamente também.  Por último: você e sua organização realmente entendem a inovação aberta e o que é preciso para praticá-la? Os líderes precisam entender o impacto desse movimento e adotar um estilo que otimize a confiança, motivação e desempenho da equipe.

OIC: Que tipo de empresa pode ou deve adotar a inovação aberta?

A inovação aberta tem sido um tema quente entre as grandes empresas, mesmo entre as rodas mais conservadoras que apresentam barreiras mais rígidas – o que inclui indústrias caracterizadas por investimentos de capital elevados, longos ciclos de desenvolvimento de produtos e forte foco em direitos de propriedade intelectual. Empresas farmacêuticas ou semicondutores, por exemplo, se encaixam nesse perfil. Os diretores de inovação desses setores estão tentando descobrir como podem abraçar a inovação aberta. E, certamente, grandes corporações em setores sem tais restrições estão explorando a inovação aberta ou já a adotaram como uma parte de seu foco na inovação. Já as pequenas empresas desempenham papel importante nos ecossistemas de inovação aberta, pois as maiores entendem que essas empresas podem se tornar canal de acesso para um fluxo diversificado de oportunidades, que pode levar a uma inovação mais rápida e melhor. Isso porque, normalmente, as empresas de pequeno porte estão na vanguarda da inovação disruptiva; podem correr riscos que as grandes empresas não se dão ao luxo de tomar; são mais ágeis e, muitas vezes, estão mais proximas de seus mercados do que as grandes.

OIC: Uma empresa que já adota o modelo de inovação fechada e lucra com ele deve considerar abri-lo?

Sim. As coisas estão acontecendo tão rápido hoje, e muito poucas empresas – se houver – podem manter uma posição fechada por muito tempo. A inovação é um elemento chave para o sucesso sustentado e essa inovação tem de ser aberta e global. Indústrias inteiras dependem de inovação aberta para ter acesso às melhores pessoas, ideias, ecossistemas e trazer o melhor da inovação de forma mais rápida. As empresas com uma mentalidade fechada não podem competir contra esse contexto por muito tempo.

OIC: Como é possível transformar a cultura de inovação em alguma empresa para um modelo aberto?

Quando eu trabalho com as empresas sobre esse assunto, verifico primeiro se realmente há apoio da alta gestão. Se esse não for o caso, então se pode abandonar o projeto, pois ele não vai funcionar. É importante também trabalhar os gerentes, que, muitas vezes, apenas cumprem sua obrigação trivial. Eles têm o objetivo de alcançar determinadas metas e, se o fizerem, estarão aptos a uma promoção, aumento ou bônus melhores. É preciso pensar um sistema que os acople aos esforços de inovação – incluindo recompensas – para que estejam dispostos a contribuir junto com as equipes que comandam. As unidades de inovação também devem compreender que o seu principal objetivo é ajudar as unidades de negócio a fazerem a inovação acontecer. Devem atuar como facilitadores e fazer a ponte entre recursos internos e externos. Devem também ajudar a desenvolver uma linguagem comum sobre inovação em todos os escalões e até com parceiros externos.

OIC: Em um contexto no qual a inovação é cada vez mais relevante e que muitas empresas se afirmam como inovadoras, como se destacar em meio à concorrência?

O mercado é que diz quais empresas são as melhores em inovação. Os vencedores terão fortes capacidades de inovação que lhes permitam trazer melhores produtos e serviços e ganhar mais dinheiro. Por isso, é importante notar que a inovação precisa ser mais do que apenas produtos ou tecnologias. Os processos são igualmente importantes.

OIC: Como as políticas públicas podem contribuir para o sistema nacional de inovação?

O governo precisa criar um quadro adequado e condições para as empresas inovarem de forma aberta e global. Como fazer isso varia e depende de uma abordagem sobre os desafios específicos de um determinado país ou região. No entanto, minha experiência me diz que os governos deveriam tentar minimizar o seu trabalho nessa área ao invés de tentar controlar as coisas. Eles também devem ajustar a sua percepção de quanto valor universidades e instituições de pesquisa podem trazer para um mercado global de inovação. Sim, eles são atores importantes, mas por vezes são difíceis de trabalhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *