Open Innovation Seminar recebe propostas de arenas e define fóruns

Para o Open Innovation Seminar 2012, mais de 20 empresas parceiras do Centro de Open Innovation – Brasil já se propuseram a construir as arenas de inovação – ambientes de colaboração em que pessoas e organizações com competências distintas se unem em busca de soluções para desafios comuns. Também foram definidos, ao longo das reuniões do comitê organizador do evento, os fóruns de inovação aberta – instâncias permanentes que serão lançadas no evento para aprofundar as discussões em relação aos principais aspectos relacionados à gestão da inovação aberta. Para cada um dos três temas principais, serão lançados quatro fóruns. Dentro de Gestão de Pesquisa e Desenvolvimento, o OIS lança os fóruns de Inteligência, transferência e valoração da tecnologia; Modelos de inovação: corporativo versus empreendedor; Pesquisa e Desenvolvimento Colaborativo; e Ecossistemas de Inovação. Já o tema Business Model Generation abrange os fóruns Social innovation; Business Model Generation e Aceleradoras, Gestão da Inovação e Sustentabilidade e Effectuation. Por último, em relação a Inovação em Serviços, serão trabalhados os fóruns Design Thinking; Open Government; User Innovation e Serious Gaming.
Informações pelo link.

Selecionadas as melhores estampas do Desafio Criativo Lilica Ripilica

A Comissão Técnica Julgadora do Desafio Criativo Lilica Ripilica selecionou os 85 desenhos mais próximos da final. Agora eles seguem para comissão classificadora, que fará a última avaliação. Entre os estados, destaca-se São Paulo, que responde por 36% dos concorrentes selecionados. Santa Catarina também apresenta forte participação (19%), seguido por Rio Grande do Sul (13%) e Rio de Janeiro (12%). Os demais finalistas são do Paraná, Minas Gerais, Ceará, Goiás e Distrito Federal. O desafio, organizado pela Marissol, mobilizou milhares de desenhistas, designers, artistas plásticos e estudantes, que criaram estampas contínuas para a marca. O resultado oficial será divulgado no dia 17 de setembro. Informações no site.

Natura Campus lança chamada de projetos em agosto

O Programa Natura Campus, iniciativa para construção das redes de inovação da Natura com a comunidade científica, lança em 15 de agosto a chamada 2012 de projetos de pesquisa e inovação. A chamada está divida em duas categorias: Programa Amazônia e Ciência, Tecnologia e Inovação. A primeira categoria é destinada a projetos liderados por instituições de ciência e tecnologia sediadas na região amazônica e abre espaço para temas como: Cultura e Sociedade; Conservação e Biodiversidade; Florestas e Agricultura; e Design de Produtos e Processos. Na segunda categoria, o objetivo é apoiar projetos de inovação transformadora, que possibilitem a formação e fortalecimento de uma rede global de pesquisa. É uma oportunidade para desenvolverem projetos em colaboração com a empresa nas áreas de Ciências Clássicas e Avançadas de Pele e Cabelo;  Ciências do Bem Estar e Relações; e Sentidos, Design e Experiências e Tecnologias Sustentáveis. Informações no site.

Inovação aberta é tema de debate entre CNPq e INPI

Em encontro realizado em julho pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, uma mesa de debates do CNPq e INPI, colocaram em debate a inovação aberta no Brasil. O tema foi pautado em meio à observação de desafios enfrentados pelo país na última década, como o aumento da dependência tecnológica e dificuldades na balança comercial em setores considerados de média e de alta intensidade tecnológica (farmacêutico, TIC, saúde, química e máquinas e equipamentos).

O presidente do CNPq, Glaucius Oliva, destacou a importância de procurar competências complementares fora do ambiente institucional ou empresarial. “Quero inovar, não sei fazer sozinho e vou procurar fora de onde estou outro ator para desenvolver projetos conjuntos, por meio de licenciamento de opção, acordos de financiamento de pesquisa, criação de empresas dentro de centros universitários, realização de chamadas de projetos por empresas, estágios, consultorias, doações por empresas, entre outras”, disse.

Já o presidente do INPI, Jorge Ávila, afirmou que o Brasil é um país de industrialização tardia, baseada na aquisição de competências tecnológicas desenvolvidas no exterior: “Nós temos que enfrentar a realidade de um processo histórico. Não houve um ambiente de estímulo ao processo de inovação”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *