Curso de programas de ideias e desafios capacita 30 profissionais de inovação

Treinamento realizado pelo Wenovate visou aprimorar conhecimentos sobre estruturação e efetivação de iniciativas de colaboração

No último mês, os consultores em inovação Marcelo Prim e Regis Assao ministraram o curso Programa de Ideias e Desafio, realizado pelo Wenovate. O treinamento foi o primeiro módulo de uma estrutura de capacitação em gestão da inovação que será promovida em módulos ao longo do ano. O objetivo do encontro, que reuniu cerca de 30 participantes de 20 instituições, foi apresentar as dimensões chave da estruturação de um programa de ideias e desafios, incluindo o estabelecimento de rede e processos, ativação, moderação e animação de rede, além de método, ferramentas e métricas.

Segundo Prim, programas de ideias são essenciais para criar uma cultura de inovação aberta dentro das empresas. A inovação colaborativa tem se tornado, cada vez mais, um recurso recorrente nas organizações. “Porém, para obter resultados expressivos, é importante ativar uma comunidade por meio de desafios, animar o processo com especialistas e netweavers, contando com um processo bem estruturado, com critérios transparentes, apoiado pelo uso de métodos de indução da criatividade e plataformas de colaboração para gerir o portfólio de ideias”, afirma.

O representante do Sebrae SP, Rodolfo Ribeiro, conta que a organização já possui programas que utilizam essa lógica e buscou o curso para entender de que forma aperfeiçoá-los. “Estamos pensando em trabalhar com um projeto de ideias dos funcionários dos 33 escritórios e 87 pontos de atendimento no estado. A intenção inicial era criar um canal permanente para essa comunicação, mas, no curso, ficou claro que essa talvez não seja a melhor opção”, diz. “Segundo os instrutores, a maior parte das ideias é submetida perto do deadline, portanto, quando não há limite de tempo para o engajamento, a tendência é ter uma participação reduzida”.

Para a analista de Pesquisa e Desenvolvimento da área de Cenários da Globo, Gabriela Cachapuz, o desafio é ampliar o conhecimento sobre metodologias de inovação. “Eu estou na área de P&D da emissora há dez anos e vejo um potencial muito grande em inovação em parceria com universidades. Percebo que estamos avançados em relação à gestão interna da inovação e que ainda podemos desenvolver novos olhares”, diz.

Já a gerente de Operações da Nu Naat, empresa do grupo MCassab, Sintia Aguiar, busca justamente estruturar a gestão da inovação na empresa. Ela conta que a organização tem diversas práticas inovadoras e um histórico de inovações lançadas no mercado internacional, mas que esses processos não estão organizados sob uma estrutura de gestão de inovação. Alinhar esse gerenciamento com a visão de futuro do grupo é o principal desafio. “Somos uma organização multissetorial e descentralizada. O que temos pensado é em como alinhar pessoas de áreas distintas e autônomas sob essa ótica”, afirma. No curso, Sintia foi buscar o entendimento de processos sistematizados de inovação, bem como o contato com a experiência de outras empresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *