3 em 1: O que você aprendeu recentemente em gestão da inovação que gostaria de compartilhar?

foto_RogerioHamamRogério Hamam
SEDS – Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo

Acima de qualquer coisa, a gestão da inovação é um conceito que nos convida a observar o todo com outros olhos, assumindo a motivação por novas práticas e descobertas. A gestão da inovação também ganha na administração pública, uma roupagem diferenciada, pela natureza nobre do serviço e suas diferenças estruturais e organizacionais em relação ao setor privado. A experiência que estamos construindo na Secretaria de Estado Desenvolvimento Social de São Paulo não poderia ser mais positiva. Estamos gradualmente abrindo as portas da Secretaria para que a sociedade civil possa participar ativamente de nossos programas e iniciativas. Aprendemos que os estímulos externos — sejam críticas, elogios ou parcerias — não são apenas bem vindos, mas necessários para que possamos cumprir a permanente missão de promover o verdadeiro desenvolvimento social no estado de São Paulo.

 

foto_RodrigoBandeiraRodrigo Bandeira de Luna
Instituto Cidade Democrática

Em dois projetos que estamos envolvidos, o Webcidadania Xingu e a ontologia da participação social, temos aprendido com a necessidade de comunicar claramente, de forma que não haja ambiguidades e nem compreensões erradas, e comunicar de maneira simples, de forma que muitos possam participar aportando os valiosíssimos saberes de quem lida com as questões na prática, vivenciando os aspectos concretos que precisam ser considerados em nossos modelos de atuação social para temas públicos.

 

 

foto_GustavoSantiGustavo Santi
iMasters e Laboratorium

Tenho acompanhado de perto projetos de instituições públicas e privadas e o maior desafio é colocar em prática novos conceitos que modelam negócios com profissionais que insistem em métodos conservadores. O que aprendi nesse meio tempo é que devemos ter paciência e empatia para inovar nos negócios, seja na dificuldade de lidar com gestores “inovadores” e no alinhamento de perspectivas, a fim de evitar futuras decepções até mesmo pessoais. E com o objetivo primordial de mostrar, na prática, como novos conceitos como design thinkingbusiness model e outras ferramentas podem trazer mais resultados nos processos empresariais do que os que eram aplicados na era da administração antiga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *