Conheça a história da Oiweek – maior evento de open innovation do Brasil

Neste ano,  o primeiro evento realizado no Brasil para debater a Open Innovation completará 13 anos.

No dia 16 de junho de 2008, foi realizada a primeira edição do Open Innovation Seminar no Brasil, organizado por pesquisadores e entusiastas da open innovation que revolucionou a rede de inovação do país.

O evento surgiu a partir da colaboração dos fundadores do Centro de Open Innovation – Brasil (OIC-Bar), hoje reconhecido como Wenovate, uma organização sem fins lucrativos dedicada a incentivar e promover projetos de inovação. O evento propôs o debate sobre a aplicabilidade da inovação aberta no Brasil e reuniu cerca de 340 especialistas, executivos, acadêmicos e formuladores de políticas públicas, com a presença do próprio criador do conceito de inovação aberta, Henry Chesbrough, que participou de mais quatro edições.

O seminário revelou que várias empresas brasileiras chegaram a um modelo aberto de inovação antes mesmo do conceito de Chesbrough. Natura, Embraer, Laboratório Cristália e Omnisys foram as primeiras empresas a participarem do debate em 2008 e apresentaram cases e investimentos em inovação.

A cada edição, o evento foi ganhando proporção e resultados, chegando a ter mais de 1600 participantes logo na 2ª edição.

Além de debater sobre inovação aberta e a sua aplicação, os especialistas identificaram a necessidade de auxiliar na formação de gestores de inovação. E em 2010, 77 gestores de grandes empresas participaram do primeiro Curso de Gestão De Inovação Aberta que virou referência no país.

Em 2012, a questão de metodologias de inovação aberta e de gestão de inovação começaram a ser muito influenciadas por autores de empreendedorismo. Foi na 5ª edição Open Innovation Seminar que a professora Sara Sarasvathy da Universidade de Virgínia (EUA) e criadora do método effectuation, foi convidada para debater a criação de novos empreendimentos e o que os gerentes de inovação podiam aprender com empresários.

Foi também neste ano que surgiram os Grand Challenges, desafios com temas que geravam debates com as grandes instituições para que startups propusessem novas soluções para questões como cidades inovadoras, saúde e transporte.

O evento mudou completamente o formato em 2013, quando se tornou um grande programa de inovação. Foi criado um comitê dos patrocinadores para trabalhar três frentes da inovação: parcerias com startups, inovação para indústria e pesquisas científicas.  Foram criadas as seguintes redes de inovação: Desafio Brasil, com Fundação Getúlio Vargas (FGV), a Corrida da Inovação com o SENAI e o Cientista Inovador com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Além disso, o Open Innovation Seminar passou a integrar a Open Innovation Week, que congrega diversos outros eventos correalizados com os principais parceiros do ecossistema e se tornou o principal evento de empreendedorismo e inovação aberta entre startups e grandes empresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *