Belgo Bekaert aposta na capacitação como estratégia de crescimento

Entenda como a Belgo tem investido na capacitação, democratização da open innovation e na conexão com startups como estratégia de crescimento

A Belgo Bekaert, maior produtora de arames do mundo, está presente no mercado brasileiro há 20 anos. A consolidação do negócio no Brasil se deu por meio de uma parceria estratégica com a ArcelorMittal, líder mundial na produção de aço. 

A Belgo possui 9 unidades de produção no Brasil, localizadas nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Bahia, responsáveis por oferecer soluções inovadoras no mercado de arames e outros derivados. 

A corporação tem investido em inovação, a partir da implementação de tecnologias e reestruturação de processos, e também na capacitação e na conexão com startups para alavancar ainda mais sua presença no ecossistema de inovação brasileiro. Segundo Ricardo Garcia, CEO da Belgo, essas ações visam, ainda, a democratização interna da open innovation e a captura de valor. 

Os desafios de uma empresa tradicional no mundo da open innovation 

Segundo Ricardo, a Belgo se configura como uma empresa tradicional, pautada em processos e tecnologias de fabricação produtivas. Por ter esse perfil, a empresa tem estruturado estratégias de open innovation para se aproximar do ecossistema de inovação, e uma dessas estratégias é a capacitação

Segundo Ricardo, a capacitação de colaboradores é o caminho para que a corporação interaja mais com os players do ecossistema de inovação e capture valor para aprimorar seus produtos e processos. 

Outro foco, que tange a capacitação, é a democratização interna da área de open innovation, para que mais pessoas possam contribuir com ideias e soluções inovadoras.

“Não dá para cuidar da inovação como uma ilha. É preciso descentralizar o conhecimento para potencializar as ações”, afirma Ricardo. 

Mapear o mercado, cocriar soluções de forma ágil, que gerem impactos, são outros objetivos que a Belgo almeja alcançar com a capacitação e conexão com startups. Para suprir esses desafios, a Belgo aderiu ao Programa 100-10-1 Startups, programa de capacitação em rede criado pela 100 Open Startups e que engloba o Movimento Cultura Aberta para Inovação.

Por que se capacitar em Open Innovation?

Para Ricardo, quando uma empresa decide apostar em open innovation, é preciso ter persistência para que a jornada dê certo. Ter pessoas capacitadas reflete em engajamento, que, por fim, reflete em impacto e captura de valor. A corporação vê a capacitação também como uma estratégia de transformação cultural

Segundo o CEO, conhecer o universo das startups é uma forma de potencializar as ações inovadoras, trazendo um olhar mais ágil para os processos internos da corporação. A conexão entre os agentes do ecossistema fomenta trocas e aprendizados, e, para Ricardo, ter entendimento sobre as melhores práticas, gera ganhos mútuos. “Entender como o ecossistema de inovação funciona possibilita conhecer oportunidades que estão mais acessíveis e ajuda a assumir desafios maiores, fomentando o processo de transformação cultural”, afirma.  

A Belgo está entre as corporações líderes em open innovation no país, premiadas na categoria TOP 100 Open Corps do Ranking 100 Open Startups 2021, e a capacitação chega em um momento em que a corporação pretende investir ainda mais na conexão com startups.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.