A evolução dos relacionamentos de Open Innovation no Brasil

Apenas no último ano, foram declarados mais de 26 mil relacionamentos entre corporações e startups no Brasil.

A Open Innovation, ou Inovação Aberta, começou a se popularizar no mundo a partir do livro “Open Innovation: The New Imperative for Creating and Profiting from Technology” (2003), do professor, economista e pesquisador Henry Chesbrough. Segundo o pesquisador, que é considerado o pai da open innovation, sete anos após o lançamento do livro, o número de resultados sobre o conceito, no Google, subiram de 200 (2003) para 13 milhões (2010), o que representa um salto gigantesco naquele que seria o marco da disseminação da open innovation mundo a fora. 

Mas o que é a open innovation? 

Segundo Chesbrough, a open innovation é: 

“o uso de fluxos de entrada e saída de conhecimento para acelerar a inovação interna e expandir os mercados para o uso externo da inovação, respectivamente”.

Ou seja, essa prática se dá por meio da colaboração de um ecossistema formado por corporações, startups e instituições que se unem para cocriar soluções de valor e promover a difusão de conhecimento, tecnologia e expertise.

No Brasil, a open innovation começou a ganhar espaço como pauta, na mídia e no mercado, em 2008, com a vinda do professor Chesbrough,  a convite de Bruno Rondani, CEO da 100 Open Startups, para uma palestra e debate com empresários, escolas de administração e órgãos públicos, em São Paulo, naquela que seria a primeira Open Innovation Week (Oiweek) e o primeiro evento sobre o tema no Brasil. 

Expansão da open innovation no Brasil

Com o crescimento da open innovation no Brasil, em 2016, tivemos o primeiro Ranking 100 Open Startups,  publicação que premia e reconhece as corporações e  startups que mais praticam open innovation no país, a partir de dados gerados pelo próprio ecossistema de inovação sobre as relações de negócio estabelecidas entre startups e o mercado corporativo. 

  • Empresas que praticam inovação aberta: de 2016 a 2021

Por ser baseado em dados, o Ranking 100 Open Startups, que, em 2021, chegou a sua 6ª edição, é o principal termômetro da open innovation no país. Segundo levantamento realizado pela 100 Open Startups, em 2016, apenas 82 empresas estabeleceram relacionamentos de open innovation com startups, enquanto hoje já são mais de 3.500 corporações que buscam ou buscaram startups para cocriar soluções.

  • Crescimento de contratos de open innovation: de 2016 a 2021

E o salto não ocorreu apenas na abertura das corporações para a open innovation. A movimentação do mercado, registrada na edição 2021 do Ranking, superou a soma das cinco primeiras edições, com mais de 95% de crescimento em relação à edição de 2020. Em 2016, o número de contratos de open innovation era de 859, em 2021 foram registrados mais de 26 mil.

Essa expansão demonstra o importante salto dado no último ano na cocriação de soluções e a maturidade do nosso ecossistema de inovação. É a prova de que coisas incríveis acontecem quando se constrói em conjunto!

  • Dados que comprovam que a prática de open innovation dobrará ano a no

O estudo “Panorama da Open Innovation entre Corporações e Startups no Brasil I 2016-2021” registra os principais dados e insights sobre open innovation gerados pelo Ranking. Segundo o estudo, a open innovation com startups mais do que dobra a cada ano e não há sinais de que esse crescimento vai parar tão cedo. 

  • Startups que praticam open innovation : de 2016 a 2021

Ranking 100 Open Startups 2021

O Ranking 100 Open Startups não tem banca de jurados, nem “algoritmo” de previsão de futuro. O Ranking é objetivo, baseado nos dados declarados pelo próprio mercado. 

O crescimento exponencial da publicação neste ano traduz a importância do Ranking para a compreensão da expansão da open innovation no Brasil. Esses resultados mostram um mercado cada vez mais aquecido em relação ao uso da inovação aberta, consolidando a maior edição do Ranking desde o seu início. 

Neste ano, as grande corporações premiadas foram:

TOP 1: AMBEV
TOP 2: ArcelorMittal 
TOP 3: BMG
TOP 4: BASF
TOP 5: Nestlé
TOP 6: Stefanini 
TOP 7: Natura
TOP 8: Unimed
TOP 9: Raízen
TOP 10: Suzano 

Além do ranking TOP 100 Open Corps, também reconhecemos e premiamos as TOP 5 Open Corps em 25 setores do mercado.

Confira as empresas premiadas no TOP Open Corps 2021: 100os.net/ranking

A premiação das corporações, com o TOP Open Corps marcou o mês de agosto.  Já as  premiações das TOP Open Startups, Categorias Especiais, Ecossistema e Investidores, acontecerão na Oiweek de outubro. 

Acompanhe todas as novidades no nosso perfil no Instagram

Referências:

https://www.forbes.com/sites/henrychesbrough/2011/03/21/everything-you-need-to-know-about-open-innovation/?sh=1c94f32975f4

http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8801/1/Inova%C3%A7%C3%A3o%20aberta.pdf

https://mittechreview.com.br/o-brasil-esta-cruzando-a-fronteira-do-open-innovation/ 

https://www.openstartups.net/site/ranking/insights-2020.html

https://www.revistasg.uff.br/sg/article/view/931/587

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *