Case: Open Innovation em Biotecnologia 

Conheça o case de sucesso de biotecnologia da startup Regenera Moléculas do Mar com a Eurofarma para o desenvolvimento de antibióticos e antifúngicos

Você já ouviu falar sobre a Amazônia Azul? O termo se refere à biodiversidade marinha presente no Brasil. Segundo pesquisadores, a costa brasileira é extremamente rica em recursos naturais e biodiversidade, daí o paralelo com as riquezas presentes na Amazônia. 

A Amazônia Azul tem, ainda, um papel revolucionário para a economia brasileira. Segundo Mário Frota, Biólogo e Founder & CEO da Regenera, “o que tem de novo para ser descoberto está no fundo do mar”. Com o propósito de transformar em inovação os microrganismos encontrados na Amazônia Azul, a Regenera está, desde 2015, inovando na área de biotecnologia no Brasil. 

A Regenera gera conhecimentos a partir dos microrganismos coletados no mar. Em seu banco, há cerca de 1.500 microrganismos disponíveis para pesquisa e desenvolvimento de soluções, que podem vir a ser ativos para diversos setores de negócios. “Da cura para uma doença a soluções para o campo”, reforça. 

A startup vem colaborando, desde a sua fundação, com corporações de diferentes setores da economia. Corporações que querem criar produtos e soluções inovadoras por meio da pesquisa e desenvolvimento.  

O biólogo Mario Frota Junior, fundador da Regenera, em expedição para coleta de material no fundo do mar (Divulgação/Regenera)

Descubra por que a Eurofarma tem apostado em soluções de biotecnologia

Um dos focos da farmacêutica é se consolidar como uma referência global em inovação, a partir do desenvolvimento de novas moléculas e, consequentemente, novos fármacos. Dentro dessa concepção de inovação da corporação, foi estabelecida uma parceria de open innovation com a Regenera, com foco em biotecnologia, a fim de apoiar a pesquisa de moléculas oriundas da Amazônia Azul para criação de futuros antibióticos e antifúngicos que possam combater bactérias e fungos super resistentes.

A parceria de open innovation para o desenvolvimento das moléculas iniciou-se em 2019. A farmacêutica abraçou a ideia de que, no fundo do mar, podem estar as respostas para medicamentos, e as expectativas estão altas. “A conexão com a Regenera nos trouxe um mar de possibilidades a partir da interação com a pesquisa científica de ponta, com o acesso à biodiversidade da Amazônia Azul e com a possibilidade de desenvolvermos medicamentos completamente inovadores com maior celeridade”, afirma Carine Cristiane Drewes, Analista Sênior de Pré-clínica e Desenvolvimento na Eurofarma.

Com resultados promissores, a Regenera está expandindo a sua estrutura para atender a demanda da Eurofarma, e ambas já estão planejando novas fases do projeto para serem implementadas. 

Com um olhar atento para a inovação, a Eurofarma tem apostado alto em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Só nos últimos cinco anos, a empresa ampliou em 160% a verba destinada para esse fim e prevê que, até 2030, 15% de todas as vendas sejam revertidas para P&D. Além disso, a farmacêutica fundou o Eurolab, espaço destinado para o desenvolvimento de pesquisas.  

Parceria de Open Innovation

A Eurofarma estabeleceu, junto à Regenera, parâmetros que foram diferenciais para o sucesso da parceria. Com a percepção de quais eram as necessidades da startup, a farmacêutica deu abertura para que novas ideias fossem implementadas ao longo da jornada. Segundo Mário, alinhar as expectativas foi essencial para que a pesquisa pudesse ser feita. “Temos uma relação muito saudável de codesenvolvimento, onde a empresa investe pesado em pesquisa, desenvolvimento e inovação. A aposta no nosso modelo de negócio vem dando ótimos resultados”, complementa.  

A participação de lideranças também foi um diferencial. Com contato recorrente com líderes das frentes relacionadas à solução em desenvolvimento, a Regenera imergiu no ecossistema da corporação, possibilitando entender ainda mais as demandas e necessidades para a consolidação da pesquisa. 

Ser flexível e adaptar modelos de negócios para fechar parcerias é uma dica que Mário oferece a outras startups. Segundo ele, é necessário “equalizar” e alinhar expectativas para que a relação seja duradoura. “Entendemos rapidamente que a flexibilidade ajuda a fechar negócios e que os mundos das corporações e startups são diferentes, mas é importante que os dois trabalhem para um entender o outro”, afirma. 

Ranking 100 Open Startups

A Regenera Moléculas do Mar foi TOP 1 na categoria BioTech por três anos consecutivos, desde 2019. Agora, além do TOP Categoria, a startup almeja ainda reconquistar uma posição entre as TOP 100 Open Startups na edição deste ano.

Segundo Mário, o Ranking 100 Open Startups é a principal premiação de open innovation no Brasil, e a mais real, uma vez que o Ranking mede, de forma objetiva, o volume e a intensidade das relações de open innovation estabelecidas entre startups e empresas por meio dos contratos firmados. 

“Figurar pelo TERCEIRO ANO CONSECUTIVO como uma das startups mais atraentes para o mercado corporativo reforça a máxima de que tudo é possível quando estamos fazendo algo com AMOR, DEDICAÇÃO e PROPÓSITO”. – Mário Frota Jr., Founder & CEO da Regenera.

Também premiada no Ranking, a Eurofarma conquistou o TOP 3 na categoria Saúde e Bem-Estar, além de ficar entre as TOP 100 Open Corps. Comprovando que a curva de aprendizado é vigorosa, e a intensidade da Open Innovation com Startups dobra a cada ano entre as empresas mais bem ranqueadas, insight destaque no Panorama da Open Innovation entre Corporações e Startups no Brasil | 2016-2021. 

Equipe Regenera com troféu #TOPBIOTECH.
Equipe Regenera com troféu #TOPBIOTECH.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.